Acerte na harmonização: 13 tipos de vinhos e com o que servir

07.05.2021
vinho

Uma experiência gastronômica bem vivida com certeza será acompanhada de uma ótima taça de vinho.

Aliás, para que essa experiência aconteça da melhor forma, é necessário que você conheça a fundo os detalhes de cada um dos estilos dessa “bebida dos deuses”. Dessa forma, será possível escolher os melhores pratos para a harmonização de vinhos.

Para você que possuí um food service que oferece em seu cardápio uma carta de vinhos, é necessário guiar o seu cliente a escolha correta, afim de ajuda-lo a degustar o melhor vinho junto ao acompanhamento adequado.

Para tanto, vamos te ajudar nessa tarefa.

Nesse ínterim, fomos atrás de várias informações importantes que fossem fundamentais para te auxiliar na hora de atender aquele seu cliente apaixonado por vinho.

Ah! Aliás, esse artigo também vai ser interessante para você que não sabe o que oferecer para o seu cliente quando ele pede alguma sugestão.

Então, mantenha o foco na leitura e nos acompanhe até o final. Você sairá desse artigo quase um sommelier.

Em suma, aqui você irá ler sobre:

Um pouco sobre a história do vinho.

Na antiguidade, o vinho era conhecido como a bebida dos deuses.

Sobretudo, de todas as bebidas, o vinho tem uma grande carga histórica de soberania sobre as outras.

Uma das mais antigas do mundo, o vinho é citado por Homero em a Odisseia, obra de 8 mil anos a.C. Do mesmo modo, outra fonte histórica extremamente relevante que confirma a importância dessa bebida, são os escritos bíblicos. Neles, até mesmo um personagem tão importante quanto Jesus, fazia consumo. Então sim, o vinho é “sagrado”!

No entanto, não se sabe ao certo quando e quem tenha inventado essa iguaria. Ainda assim, como já vimos, com alta aceitação mundial, o vinho e a arte de produzi-lo, vem resistindo a milênios. Egípcios, fenícios, gregos e romanos, foram sociedades essenciais a permanência da arte de sua produção.

De um artigo da nobreza para um artigo popular.

Seja como for, vale lembrar que o vinho de qualidade, até um certo ponto da história, era uma bebida nobre, reservada apenas para aqueles que ocupavam uma posição considerada alta na sociedade da época.

A popularização dele aconteceu por volta da idade média. Por conta da igreja,  até hoje o vinho é utilizado em missas como forma  de representação do sangue de Cristo.

Outro fator que também fez do vinho uma bebida popular, foi a medicina medieval. Os médicos da época acreditavam que ele possuía propriedades medicinais. Dessa forma ele era muitas vezes indicado em tratamentos de várias doenças, ou ainda misturado a água para purificá-la.

O vinho no Brasil.

Ainda hoje, embora não seja a bebida mais consumida no Brasil, perdendo para a cerveja, em primeiro lugar, e para a cachaça, em segundo, o vinho está a cada ano caindo mais no gosto dos brasileiros.

A princípio, a sua baixa popularidade pode ser associada a seu preço. Afinal, esse não está entre os mais acessíveis a toda a população. Hoje, os vinhos considerados de qualidade, possuem um valor muito maior do que os populares, que são considerados de “baixa qualidade”.

Nossos vinhos.

Antes de mais nada, é importante dizer que os vinhos brasileiros foram por muito tempo considerado de baixa qualidade. Todavia, essa condição começou a se transformar com a vinda de imigrantes italianos e alemães para as terras tupiniquins.

Assim, ainda nos anos de 1970, novas tecnologias chegaram juntamente com o estabelecimento de vinícolas multinacionais, como a Moet & Chandon, exigindo ainda mais melhorias, também, na concorrência.

Ou se renova, ou desaparece!

Porém, é interessante ressaltar que, o vinho nacional vê seu espaço, em seu próprio território, ser disputado por outras marcas internacionais. Esses vêm principalmente da Argentina e do Chile.

No entanto, com maiores investimentos e maior qualidade, vemos marcas nacionais como Casa Valduga e Salton se consolidando no mercado, tanto aqui, quanto lá fora. Também vemos grandes indícios de crescimentos ainda mais grandiosos do Brasil nesse mercado dominado por países como Itália, França, Espanha, Estados Unidos, Argentina, Austrália, Alemanha, África do Sul, Chile e Portugal.

Agora que você já sabe bastante sobre a história do vinho, vamos passar para a parte mais interessante.

Tipos de vinho e harmonização.

Vinhos tintos devem ser servidos com temperaturas entre 12°C e 18°C

Dentre todos os tipos de vinhos pelo mundo a fora, separamos para você uma lista com os mais populares. Vamos apontar alguns de seus detalhe e suas harmonizações. Dessa forma, será muito mais fácil para você e sua equipe, transformar e tornar as experiências gastronômicas dos seus clientes em ocasiões exuberantes.

Vamos começar pela rainha das uvas!

1- Cabernet Sauvignon

Os vinhos produzidos a partir da uva Carbenet Sauvignon, tem características fortes e marcantes. Por sua casca grossa, essa uva resulta em um vinho tinto com tanino acentuados. Quando envelhecidos em barricas, seus taninos tendem a se amaciar. Nesse processo, ele adquire notas de baunilha, ameixa, chocolate e tabaco.

Porém, segundo Winepedia “Os aromas mais comuns do Cabernet Sauvignon são cereja-negra, cassis, pimentão, especiarias e cedro.”

Para harmonizar, como um vinho de corpo robusto, opte por indicar pratos como carnes vermelhas gordurosas, massas com molhos vermelhos, queijos duros e risotos.

Disponível também na versão rosé.

2- Cabernet Franc

Com tons de cor menos profunda que o Carnet Sauvignon, os vinhos que partem das uvas Cabernet Franc, possuem corpo mais leve e ou médio. Suas notas estão entre frutas negras, violeta, mineral, pimenta e vegetais. Além disso, seus taninos são menos acentuados.

Para harmonizar, dê preferencia a pratos com sabores menos intensos. Aposte em carne vermelha grelhada, carne de cordeiro assada, sopas e risoto de cogumelos.

Disponível também na versão rosé.

3- Carménère

Também da classe dos tintos, os vinhos a base da uva Carménère possuem um tom de vermelho forte e escuro. Segundo Jhonatan Marini, um dos responsáveis pelo Blog do site da família Valduga, os vinhos Carménère “contam com sabores aveludados, sedosos e marcantes. Os exemplares envelhecidos em carvalho ganham complexidade e podem apresentar notas de chocolate, baunilha e tabaco. Na boca, despertam taninos mais macios que a Cabernet Sauvignon e a Malbec. Entretanto, não chegam a ter delicadeza da Pinot Noir nem da Merlot.”

Para harmonizar, o mais indicado são pratos como carnes vermelhas e porco com pouca gordura, e também, os molhos vermelhos.

Disponível também na versão rosé.

4- Malbec

Uvas Malbec produzem vinhos de sabores marcantes, com corpo forte e taninos bem acentuados. A uva possuí uma cor escura, concedendo ao vinho o tom vermelho arroxeado. Nas suas notas é possível identificar frutas vermelhas, assim como tabaco e pimenta.

Segundo Franciele Santos, também uma das responsáveis pelo blog da casa Valduga vale ressaltar que “como acontece com todos os tipos de vinho, a região em que a uva é cultivada interfere fortemente no resultado final e no sabor da fruta colhida.”

Para harmonizar, sirva carnes vermelhas como a costela assada e queijos duros como o gouda.

Disponível também na versão rosé.

5- Merlot

Da mesma casta que as Cabernet, as uvas Merlot produzem vinhos com alto teor de taninos, contudo macios. Além disso, são encorpados, porém, com uma média acidez. Suas notas podem conter aromas de frutas vermelhas ou negras, chegando ao café e baunilha se forem envelhecidos em madeira.

A questão das diferentes notas que podem estar presentes nesse vinho, assim como em todos os outros, se definem pelos terroirs (condições de solo e clima da região do plantio).

Para harmonizar, apesar de ser encorpado, por possuir taninos macios e acidez média, esse tipo de vinho deve ser acompanhado por carnes de porco e aves. Aliás, também deve se atentar que, os pratos que acompanham esse tipo de vinho, não devem conter uma grande quantidade de condimentos.

Disponível também na versão rosé.

6- Pinot Noir

Vinhos produzidos a partir da Pinot Noir são extremamente agradáveis ao paladar, principalmente aos iniciante do mundo de enófilos. Afinal, seu teor de taninos é baixo assim como a sua acidez.

Muito delicado, ele se destaca pelos seus aromas acentuados, sem falar que ele pode ser encontrado na sua versão tinta como também na sua versão rosé.

Para harmonizar, por conta de sua delicadeza e suavidade, são indicados pratos também suaves, como carnes de aves e porco, salmão, frutos do mar, sopas, risotos e vegetais assados. Esses também devem ser menos condimentados.

7- Syrah

A Syrah é considerada a uva mais antiga do mundo. Por meio dela é possível produzir vinhos que vão dos sabores mais encorpados até os mais delicados. Essas características diversas são devidas a cada uma das regiões onde ela está presente.

Em locais mais quentes os vinhos adquirem mais doçura e menos acidez, denotando notas de frutas negras maduras.

Além de tudo que falamos, por ser uma uva com coloração extremamente escura, quase preta, os tintos feitos a partir dela, possuem a cor de um vermelho carregado.

Por fim, seus taninos são extremamente macios.

Para harmonizar, temperos com sabores marcantes como tomilho, alecrim e pimenta são ótimas opções para ajudar a equilibrar pratos, com o sabor marcante desse estilo de vinho. Aliás, carnes bovina e queijos amarelos entregam uma experiência gastronômica completa.

Disponível também na versão rosé.

8- Tannat

Destaque no Uruguai e na França, a Tannat tem por característica principal sua casaca grossa e arroxeada, por isso, seu vinho alcança cores escuras, sem translucidez e com borda violáceas. Também por conta de sua casca, seus taninos são bem destacados e seu índice alcóolico alto.

Sobre as suas notas, podemos destacar groselha, ameixa, figo, canela, cardamomo, chocolate amargo e fumaça.

Para harmonizar, indique pratos com sabores tão marcantes quanto o da Tannat. Carnes vermelhas com gordura e sabores fortes, como costela e picanha harmonizam perfeitamente. Uma outra opção é o servir juntamente uma bela feijoada.

Disponível também na versão rosé.

9- Tempranillo

Os vinhos produzidos por meio da uva Tempranillo se destacam por possuir textura aveludada e taninos redondos, assim como um corpo denso. Sendo um vinho tinto, sua cor se destaca como vermelha escura.

As notas mais presentes quando jovens, são as frutadas. Todavia, após sua maturação em barril de carvalho, ele recebe notas de caramelo, baunilha, couro e frutas secas.

Para quem já provou os Cabernet Sauvignon e Pinot Noir, é comum dizer que as características do Tempranillo estão entre esses dois.

Para harmonizar, quando jovens e não amadurecidos por meio de barricada, é essencial servir este vinho com pratos de sabores mais suaves, como peixes mais gordurosos, saladas e frutos do mar. Já para aqueles amadurecidos, o indicado é servir junto de carnes vermelhas, queijos amarelos e hambúrguer.

10- Chardonnay

Vinhos brancos devem ser servidos com temperatura entre 6°C e 14°C.

Chardonnay é a primeira uva que citamos aqui a produzir vinhos brancos.

Essa é uma uva muito complexa. Ela agrega aos seus vinhos notas, corpo e acidez bem diferentes uns dos outros. Tudo dependerá de seu terroir.

Porém, eventualmente algumas características predominam, como: em clima quente ele adquire notas de pêssego e melão, já em clima frio, ele recebe notas de maçã.

Para harmonizar, deve-se levar em consideração duas questões. Caso o vinho não tenha passado por amadurecimento, peixes e frutos do mar são indicados como acompanhamento. Agora, se o vinho passou por amadurecimento, o certo é apostar em pratos que levem queijo derretido, creme de leite e manteiga, como purês, risotos, molhos brancos, bacalhau e etc.

11- Moscatel

Moscatel é uma família de uvas doces que geram vinhos brancos, tintos e rosés, bem como, tem por característica principal, a sua doçura. Aliás, em suas notas é possível identificar frutas, flores e mel. Ainda falando das notas, esse é um dos poucos tipos que permitem que o sabor da uva em fruta, também seja notada.

Para harmonizar, de regra, ele deve acompanhar queijos e massas leves, além de saladas. Também pode acompanhar sobremesas.

12- Riesling

A uva Riesling é tradicionalmente e principalmente cultivada na Alemanha. Em síntese, ela ganha o titulo de a melhor cepa branca do mundo.

Segundo Lucas Simões “Os vinhos são brilhantes, onde a acidez auxilia nessa característica. Quando jovens, são muito claros, possuindo uma coloração que tendência ao amarelo-esverdeado, já com a evolução, tonalidades douradas vão ganhando destaque. Em relação aos seus aromas, as notas frutadas se destacam, lembrando abacaxi, pêssego e pera, mas são as frutas cítricas que predominam, sendo lima, limão siciliano e casca de laranja as mais facilmente perceptíveis. Contudo, os aromas que mais diferem a Riesling das outras uvas são os que chamamos de “minerais”, podendo ser descritos como pedra de isqueiro, grafite, sílex, petróleo, etc.”

Para harmonizar, você deve servir carnes brancas com os vinhos Riesling secos e sobremesas com os vinhos Riesling doces.

13- Sauvignon Blanc

Uva originária da Borgonha na França e produzida hoje em dia, principalmente, na França, Nova Zelândia e Chile, a Sauvignon Blanc é responsável por produzir um vinho com alta acidez e corpo baixo.

Esse vinho se caracteriza também por ser seco e ter em suas notas aromas de ervas verdes, aspargo, melão, maça verde, maracujá e etc.

Para harmonizar, destacamos o sua perfeita combinação com a comida japonesa e também com os aspargos. Ele também é ideal para estar presente nos cardápios dos restaurantes vegetarianos, afinal combina perfeitamente com pratos leves e aromáticos.

Conheça também os vinhos:

Frisantes

Frisantes são vinhos tanto tintos, roses e brancos que possuem uma quantidade leve de gás carbônico derivado de sua única fermentação.

Entre eles os mais famosos são:

Lambruscos

Os Lambruscos podem ser produzidos a partir de 13 tipos de uvas. Seu sabor é leve, refrescante e adocicado, além de possuir taninos também leves. Outra característica que vale ressaltar é seu baixo teor alcóolico em comparação a outros vinhos.

Suas notas estão entre frutas vermelhas e flores.

Para harmonizar, sugira carnes de porco, frango e cordeiro. O presunto cru e salame também são opções perfeitas. Por fim, vão muito bem com frutas, como pêssego e nectarina.

Champanhes

O Champanhe é um espumante que deriva de apenas um local no mundo inteiro. Ele é produzido na França na região da Champagne, e possui uma produção extremamente delicada e difícil.

São produzidos a partir das uvas:

  • Chardonnay;
  • Pinot Noir;
  • Pinot Meunier.

Espumantes

Por fim, o espumante é aquele vinho que passa por uma segunda fermentação e adquire uma quantidade maior de gás carbônico.

Entre suas variantes vale a pena citar:

  • Prosecco
  • Cavas.

Agora é com você.

Em suma, nesse artigo você viu vários tipos de vinhos presentes tanto no mercado nacional, quanto internacional. Assim como suas características principais.

Além disso, trouxemos várias informações referentes a harmonização de vinhos e pratos, para que você seja capaz de oferecer a melhor experiência gastronômica para aqueles seus clientes apaixonados pelo “néctar dos deuses”.

Por fim, é importante ressaltar que utilizamos várias fontes em nossa pesquisa, e que você não só pode, como deve conferir cada uma delas se quiser conhecer cada estilo mais a fundo. Seja como for, os links estão disponíveis ao longo do nosso artigo.

De modo geral, esperamos ter ajudado você e sua equipe com mais um pouquinho de conhecimento.  Nesse sentido, se bem trabalhado, pode ser mais uma arma de vendas poderosas no seu estabelecimento. Afinal, combos não precisam ser feitos apenas de sanduíches e refrigerantes.

Para saber mais detalhes, ou ainda para tirar dúvidas, deixe seu comentário aqui a baixo.

Leia também:

Nayara

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Suas informações foram enviadas com sucesso. Em breve nossa equipe entrará em contato.